Hospitalidade como desconstrução pela parusia segundo Jacques Derrida







Autor:
Borges de Meneses, Ramiro Délio

Título:
Hospitalidade como desconstrução pela parusia segundo Jacques Derrida



Palabras clave:
FILOSOFIA
ALTERIDAD
HOSPITALIDAD
Derrida, Jacques, 1930-2004

Disponibilidad: Acceso abierto

Cita: Borges de Meneses, Ramiro D. “Hospitalidade como desconstrução pela parusia segundo Jacques Derrida” [en línea], Sapientia, 72, 239 (2016). Disponible en: http://bibliotecadigital.uca.edu.ar/repositorio/revistas/hospitalidade-parusia-derrida.pdf [Fecha de consulta:..........]

Descripción: Introdução: A hospitalidade é uma «parusia» do Outro-estranho para com o anfitrião e vice-versa. Assim, a hospitalidade é quia venturus est do homo mendicans. A hospitalidade é eventum alteri, através de uma relação plesiológica. Quanto ao seu fundamento axiológico e fenomenológico reside numa «esplancnoplesiologia » entre um anfitrião e um estrangeiro. Na verdade, a hospitalidade é o «Zukunft» do Outro. A hospitalidade, segundo Derrida, será, em primeiro lugar, a exposição incondicional e incalculável ao que «acontece», à vinda do que vem, antes de «quoi» (que) ou «quiconque» (qualquer um). Logo, o «que quer que seja» é o acontecimento singular, surpreendente, excepcional, excessivo e inapropriável do que acontece. A este, Derrida chama «tout autre» (totalmente outro) ou «autre absolu » (outro absoluto), porque absolutamente único e separado do horizonte intencional e do tempo cronológico. Acolhê-lo seria acolher para lá da capacidade do «acolhimento», seria acolher mais do que é possível «acolher». Logo, a hospitalidade é um «Unterkunft» (acolhimento) do que «há-de vir» (adventum). É a «parusia» do Outro-estrangeiro, que entra na «minha casa» (chez moi). Na verdade, a hospitalidade incondicional ou o «acolhimento do absolutamente outro» é impossível, porque é impossível ter lugar num espaço-tempo determinado. Se o evento é, para Derrida, a vinda do absolutamente Outro, que chega ou acontece, então ele não pode ser senão impossível, o que quer dizer impossível de imaginar. Se a hospitalidade se refere à capacidade de acolher, no próprio lugar, o estranho e vulnerável, então o grande repto consiste em verificar a situação dos vulneráveis: como é o homo mendicans (homem pedinte). Ser hospitaleiro pressupõe, segundo Derrida, a capacidade de recepção ou do acolhimento do Outro. Assim, o conceito de hospitalidade não é estático, é, de preferência, um conceito dinâmico, que nos obriga a sair de nós próprios e das instituições, para poder estar atento à vulnerabilidade do estrangeiro. Derrida procura separar o conceito de pura hospitalidade do conceito de «convite». Se eu te espero e estou preparado para te receber, então implica que não existe surpresa, dado que tudo está em ordem. Segundo Derrida, a hospitalidade é uma desconstrução, que se revela como uma «parusia», enquanto que para Levinas a hospitalidade é uma ética.
Ver texto completo: Ver el documento (formato PDF)
Estadísticas a partir del año 2017

Descargas Mensuales:

Distribución geográfica de los visitantes:

Pontificia Universidad Católica Argentina   -  Av. Alicia Moreau de Justo 1300, C1107AAZ, Buenos Aires, Argentina     +54 11 4349 0200